NOTÍCIAS
06/08/2019

Semana de Prevenção e Controle da Leishmaniose Visceral do Estado de São Paulo.

 

 O que é Leishmaniose?

leishmaniose é uma doença infecciosa, porém não contagiosa, causada por parasitas do gênero Leishmania. Os parasitas vivem e se multiplicam no interior das células que fazem parte do sistema de defesa do indivíduo, chamadas macrófagos.
A leishmaniose é transmitida por insetos hematófagos (que se alimentam de sangue) conhecidos como flebótomos ou flebotomíneos. Os flebótomos medem de 2 a 3 milímetros de comprimento e devido ao seu pequeno tamanho são capazes de atravessar as malhas dos mosquiteiros e telas. Apresentam cor amarelada ou acinzentada e suas asas permanecem abertas quando estão em repouso. Seus nomes variam de acordo com a localidade, os mais comuns são:
·         Mosquito palha
·         Tatuquira
·         Birigüi
·         Cangalinha
·         Asa branca
·         Asa dura
·         Palhinha.
O mosquito palha ou asa branca é mais encontrado em lugares úmidos, escuros, onde existem muitas plantas.
As fontes de infecção das leishmanioses são, principalmente, os animais silvestres e os insetos flebotomíneos que abrigam o parasita em seu tubo digestivo, porém, o hospedeiro também pode ser o cão doméstico.
Na leishmaniose cutânea os animais silvestres que atuam como reservatórios são os roedores silvestres, tamanduás e preguiças. Na leishmaniose visceral a principal fonte de infecção é a raposa do campo.
 
Sintomas da leishmaniose visceral
Os principais sinais da leishmaniose visceral são:  
·         Febre irregular, prolongada 
·         Anemia
·         Indisposição
·         Palidez da pele e ou das mucosas
·         Falta de apetite
·         Perda de peso
·         Inchaço do abdômen devido ao aumento do fígado e do baço.